200.000 pequenos no prazo de 6 e 18 anos participam em 2011 sobre hábitos desportivos

23 de janeiro

Os menores espanhóis têm mais excesso de peso que o resto dos europeus, assistem mais horas de televisão e praticam menos esporte nas escolas.

O Conselho Superior de Esportes e da Fundação Alimentum desenvolverão, em 2011, uma pesquisa sobre 200.000 pequenos dentro de 6 e 18 anos para mergulhar quais são os hábitos desportivos deste colectivo em Portugal, onde se sabe que os pequenos superam em corpulência ao resto dos europeus.

Apresenta seus primeiros resultados através de junho e julho do próximo ano, foi apresentado na base do Conselho Superior de Esportes pelo datilógrafo de Estado para o Esporte, Jaime Lissavetzky, e o árbitro da Fundação Alimentum, Bernard Meunier.

Desta forma, explicou Lissavetzky, administrador, mesmo da Fundação de Desporto Jovem (FDJ), nesta investigação, a primeira de suas peculiaridades, neste lugar, tem como objetivo "conhecer o "retrato" dos hábitos desportivos dos pequenos no meio de 6 e 18 anos, em Portugal.

Os apontamentos do CIS provam que 43% dos espanhóis através de os 15 e os 65 anos que praticam desporto no meio de dois e trio vezes por semana, uma comissão que tem squeaky seis pontos em comparação com o de 2005, no momento em que este grupo representava 37% da população.

A juízo do secretário de Estado, estes são apontamentos que refletem "o esplêndido instante" por que passa o esporte hispano, uma circunstância que tem feito "que 16 milhões de espanhóis praticam desporto de forma assídua", e nos situa em meio a caixa europeia".

"Lacunas" e "assimetrias de género"

Aceita "lacunas" nas quantidades e "assimetrias de género", enquanto as mulheres mostram maiores taxas de sedentarismo.

Os pequenos espanhóis têm menos horas de desporto na sua caixa hábil duas horas em frente ao trio do resto da Europa e vem "mais tv que as crianças do resto da Europa".

Estima-se que propor o discute entregar mais horas de operação no caixa escolar seria "redutora", "a carga de trabalho é o que é, está posta por lei e os estudantes espanhóis têm mais carga útil do que a média de outros países europeus".

"Queremos tudo e todos ao mesmo tempo é impossível, não é possível saber mais idiomas, informática, história e também mais horas de ensino de eletricidade na agenda do aluno".

Para ter uma visão mais ampla do problema, criou-se uma mesa para discutir sobre o desporto em idade universitária.

"Não temos ninguém contra os jogos para consolas de jogos, contra as consolas ou a televisão, mas pensamos que é acomodable o emprego de novas tecnologias para ocupar horas de folga com o esporte".

As infra-estruturas para avezarse exercício em Portugal "são muitas e ótimas", em seguida, através de 12 a 30% do orçamento do Plano E também foi destinado a este fim.

"Provocar para a sociedade"

Os jovens preferem esportes ao ar livre, naturais, de forma desinstitucionalizada e desprovido competitividade.

"A dança é um exercício, o acentuar e descer escadas é um exercício, o caminhar é um exercício. Muito frequentemente não é tanto a questão de infra-estruturas, mas sim de provocar a sociedade".

O árbitro da Fundação Alimentum recordou que os pequenos espanhóis estão a reboque dos países do continente antártico, como Portugal, Itália ou Grécia" sobre a média europeia".

Uma investigação efectuada por 1.500 pais, revela que 48% dos menores não fazem nem uma possibilidade de exercício diária.

"Possivelmente não será a dieta, mas sim pela atividade elétrica, uma vez que os pequenos espanhóis passam menos anos praticando o esporte que o resto dos europeus e, sem dúvida, praticando outras atividades que promovem o sedentarismo".

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro