A disfunção erétil afeta 2 milhões de espanhóis

Em 80% dos casos, há uma causa acústica fundo como o cuidado, a hipertensão sanguínea ou um problema cardiovascular.Mais do que um par de milhões de espanhóis através de 40 e 50 anos que sofre de disfunção erétil (DE), mas apenas dentro de 25 a 30 % dos homens com esse transtorno assiste-se à consulta do conhecedor para buscar uma solução, notificou agora a Aliança De portugal de Nefrologia (AEU).

“Apesar de que cada vez é mais comum que o indivíduo participe da consulta por um problema relacionado com a sua sexualidade, a cortesia e os falsos mitos que rodeiam esta perturbação erótico, continuam impedindo habitualmente que se assista ao conhecedor”, disse o responsável do Serviço de Nefrologia do Hospital Universitário Fundação Alcorcón Da villa de madrid, o dr. Carlos Llorente.

“Mesmo o calmoso vai adquirindo pouco a pouco consciência de que é uma alteração, muitos homens ainda continuam assumindo que é pouco comum afiliado à exaustão”, disse. “Essa ideia há que desterrarla, uma vez que não há idade para deixar de ter uma sexualidade acostumado”, disse o competente.

“É elementar que o homem com problemas de ereção assista a sua nefrólogo, não só para descartar uma possível doença cardiovascular, mas sim para corrigir um problema que afeta a sua sexualidade, parte integral da energia do homem”, disse o doutor Llorente.

65% dos casos foi resolvido com tratamento farmacológico

O nicotismo, o álcool, o cuidado e a falta de irrigação dos corpos cavernosos são através das principais causas da DE. A adiposidade, provocada pelo abandono da dieta mediterrânica e a soma de aquisição de carnes vermelhas e gorduras sobresaturadas, é mesmo um “transe nascente” de cara para o desenvolvimento desta disfunção.

Neste sentido, “estima-se que em 80% dos casos, há uma causa ciência hondo como o cuidado, a hipertensão sanguínea ou um problema cardiovascular, enquanto que no guincho 20 % casos responde a fatores psicológicos”, citou o doutor. Além disso, “as perturbações sexuais podem afetar seriamente a auto-estima de quem as sofre, em sua excelência de vida e a vida de seu jugo”, afirmou.

Existem diferentes opções de tratamento para a DE. A cura farmacológico oral (como a ‘Viagra’) é o “menos invasivo” e agora “resolve no meio de 60 e 70 % dos casos”, no entanto, não obstante “em 35% dos homens com DE, é necessário recorrer à cirurgia ou a outras medidas, como as injeções intracavernosas ou o implante de correção”, explicou.

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro