A fragrância afeta de forma direta o estado anímico de 90% dos espanhóis

23 de janeiro
A fragrância afeta de forma direta o estado anímico de 90% dos espanhóis 1

Por pouco mais de 90% dos espanhóis estima que a fragrância afeta de forma direta a seu estado de espírito, e 46% consideram que lhes afeta muito, assevera uma investigação sobre o Olfato e da Cozinha em Portugal, que examina o prestígio que os espanhóis dão ao cheiro em tudo o que está relacionado com a nutrição.

A sondagem, realizada pela VICKS, mostra que 98% dos espanhóis, o cheiro é essencial para apreciar a culinária, e , quando menos 70% o considera "fundamental".

3 de cada 4 espanhóis usa o olfato para descobrir se os comestíveis estão em bom estado.

O estudo aponta que os espanhóis costumam relacionar a fragrância de uma refeição com os entes queridos (71%), ao passo que aproximadamente 60% assevera que lhe foi evocado de forma direta a sua parelha.

E é que, observa a psicanalista e directiva do centro Espaço de Corrente, a dr.ª Mariana Segura, "o olfato é o sentido mais primário de todos, o que está mais relacionado com a nossa parte animal".

"O olfato é muito pequena das conmuevas e está bastante relacionado com , estabelecendo relações que são marcadas , mas não sejamos consciente de que se está estabelecendo esta relação".

A maior parte dos espanhóis estima que o olfato relacionado com a culinária é capaz de trazer evocação de momentos da sua vida.

Deste modo, 86% dos entrevistados disse que o perfume de um comestível ou comida lhes evoca evocação agradáveis.

Os momentos mais lembrados pelos espanhóis são a sua infância (77%), as férias de verão (65%) e municípios (62%).

No momento de ser atendidos por sua classificação dos cinco sentidos na hora de comer, então, o sentido do paladar, que foi considerado por todos como o sentido fundamental, os entrevistados ressaltaram sobre tudo a vista (54%) e o olfato (44%) no momento de comer.

No momento de adobar, 30% ou assegurou que o olfato é o sentido mais essencial no momento de rechear, por diante da visão (25%).

"O olfato e o gosto são dois sentidos que vão unidos, inclusive a ponto de se perder o olfato, porque estamos congestionados por um catarro, não podemos provar o alimento, pois só nós apreciaríamos sabores primários".

A 60%, ele está longe de perder o olfato

Com relação aos perfumes, destacam a delicadeza (46%) e o bombom (45%), sobre fragrâncias como as ostras, o caldo ou a cava; no que se refere a o fruto da dieta mediterrânea, que têm maior alusão, apontam a maçã, seguida de torno, o pêssego e tangerina.

Por motivos como estes, entre muitos outros, a 60% da população incomoda muito perder o sentido do olfato, enquanto um catarro.

"No momento em que perdemos o olfato, perdemos a capacidade de captar as nuances que a cozinha nos oferece, reduzindo tudo a sabores e sensações bastante primárias.

Este aspecto afeta de maneira negativa do estado anímico do indivíduo que sofre".

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro