A vacina materna da constipação resguarda os bebês até os seis meses de vida

A vacina materna da constipação resguarda os bebês até os seis meses de vida 1

Um pequeno trabalho financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates reconheceu a segurança de vacinar contra a refrigeração para as grávidas no terceiro trimestre de gestação e como é capaz de acompanhar a mãe e pequenos, inclusive cinco meses após o seu nascimento.


A gravidez é uma divisão frágil no momento de tomar decisões terapêuticas. A ignorância no tocante a como os medicamentos que afetam o aborto, a assumida fraqueza e o medo das mães, precedentemente, as possíveis consequências, limitam as opções de tratamento e prevenção da grávida.

Apesar de existir recomendada pela Organização Ecumênico de Energia a partir de 2005, muitas mulheres ainda são reluctantes a colocar a vacina da gripe. “A segurança deste meio foi testado, mas inclusive o momento não houve avaliações prospectivas e aleatórias no tocante à sua existência”, apontam os autores do estudo publicado no “The New England Journal of Medicine’.

Sua pequena pesquisa, na qual tomaram parte cerca de 340 mulheres em Bangladesh, foi desenvolvida para determinar se a vacina contra a refrigeração reduz os casos deste achaque e exatamente de que modo. O 92,9% das participantes foi concluída a pesquisa, que se estendeu inclusive 24 semanas após o nascimento.

A metade das mulheres grávidas, todas e cada uma de terceiro trimestre, recebeu a vacina da catarro e as que sobraram, a do pneumococos (microorganismo responsável pela pneumonia). Ao brotar, seus descendentes receberam a higiene frequente dos bebês –em qualquer caso, estava incluindo a da catarro no tanto que não está capacitado a sua utilização em crianças com menos de seis meses.

No período forçado, “a prevenção materna reduziu significativamente o imposto de casos de catarro em pequenos”, aponta o estudo. Especificamente, no conjunto tratado com a vacina, o laboratório confirmou seis casos, ao passo que a outra metade se geraram 16. Ou seja, que a existência de contaminação, que era de 63% ao longo do primeiro semestre de vida dos pequenos, mais duração do estimado em precedentes distinção.

Outras doenças respiratórias que cursam com febre, além disso, desceram, tanto nas mães (36%), como em seus filhos (29%). Isto quer dizer que “cinco mães têm de ser vacunadas para prevenir um único caso de alteração respiratória em uma mulher ou um cara, (…) e pouco menos de 16 para contornar um resfriado”, explica a carga.

As restrições desta pesquisa, em cuja contracção participou ainda da USAID (Delegação dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Cosmopolita), a universidade Johns Hopkins e várias empresas farmacêuticas, convidam para o modéstia. No entanto, concluem os autores, “é prostituição, a primeira prova que apoia a injeção materno para prevenir a constipação em bebês e suas mães”.

A infecção pelo micróbio da refrigeração foi adicionado com graves consequências para gestantes e menores, como malformações fetais. Os mais pequenos, costuma provocar sua hospitalização e predispõe ao desenvolvimento de pneumonia bacteriana ou otite.

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro