Cerca de 40% dos espanhóis se escova os dentes menos de 2 vezes ao dia

23 de janeiro

38% dos espanhóis reconhece que não chega a fazer duas escovadas diários e 49% concorda que nunca havia deteriorado de tecido molar.

Deste modo, constata pesquisa da Organização de usuários e Usuários (OCU) sobre a percepção do estado de fortaleza oral e dos hábitos para a diligência de seus dentes e gengivas.

Estes apontamentos, dizem, que a desinfecção oral da sociedade é "fraca", o que aumenta a possibilidade de moldar-se inconvenientes bucais.

Uma situação que, por sua vez, é realçada por hábitos de vida curto saudáveis, como o nicotismo, a ingestão excessiva de álcool e a compra elevado de açúcares.

A pesquisa foi realizada em uma amostra de sobra de 1.000 pessoas e cerca de 30% reconhece que a sua energia oral é regular e 10% a considera ruim.

Através dos inconvenientes mais comuns encontram-se o espectro de picada, o sangramento de gengivas ao longo do escovado, as gengivas ou dentes sensíveis e sufoco para comer certos comestíveis.

Outra das principais preocupações é a arte, uma vez que cerca de metade declaram estar satisfeitos com o tom de sua arcada dentária e 40% com a forma.

Situação semelhante é a dos pacientes com dentição ser cultuado, pois 19% não está satisfeito com a cor e 11% com a fachada de seu aparelho.

34% dos espanhóis concorda que apenas assiste ao dentista no momento em que "sente calvário" ou tem inconvenientes e 17% diz que tem mais de 5 anos isento visitar a consulta.

Um 14% dos espanhóis reconhece que jamais foi elaborada uma limpeza bucal.

A compra médio no dentista é de 298 euros por semelhante no último ano e a estimativa dos entrevistados pela OCU veado a soma é negação.

Este afinidade, se tem aumentado, em frente o rastreio (scan) de 2005, a proporção de pessoas que se sentem limitadas no momento de continuar ao dentista pela dívida: 40% em 2010, em comparação com 30% de 2005.

A OCU pede para as administrações públicas que completa em todas e cada uma das comunidades autónomas o Plano de Energia Oral ousado pelo Ministério de Limpeza para pequenos no meio de 7 e 15 anos.

Amplie esses programas a toda a população e financie gradualmente os principais tratamentos, e que realize campanhas sobre o peso das medidas de precaução, como a higiene oral, os controles periódicos e hábitos de vida saudáveis, entre muitos outros.

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro