Uma pesquisa relaciona exercício apaixonado com arritmias cardíacas

23 de janeiro

Uma pesquisa jogado no Hospital Clínic de Barna foi perfeito relacionar de maneira direta o exercício agudo com um maior desgraça de desgastarmos fibrose e arritmias cardíacas, devido às mudanças estruturais que geram a câmera direito e nas aurículas do coração.

Traz a suficiente evidência a nível científico, para concretizar as mudanças que gera o esporte "alongado e contínuo" de alta paixão são cumulativos, de fato, ainda são "reversíveis" no tempo em que cessa esta prática.

Os estudiosos equipararon a evolução do coração de ratos submetidos a exercício apaixonado enquanto 4, 8 e 16 semanas com um estranho conjunto de ratos sedentários, e verificaram como 42% dos "ratos maratonianos" apresentavam anomalias na estrutura do coração, ao terminar a prova, frente a 6% dos sedentários.

O exercício seria a próxima a fazer desporto de alta energia de forma diária durante 10 anos em humanos, e aponta, em consequência, a uma maior hipótese de se moldar fibrilação receptor em um longo prazo, em atletas de resistência.

Fazer esporte é bom, "melhora a longevidade e previne doenças cardiovasculares", e reduz o infortúnio de se moldar uma morte repentina.

Argumentavam que os efeitos negativos são observados somente em caso de que o exercício seja basicamente entusiasmado e paisagem no ciclo.

O estudo, que ainda tem cooperado do Montreal Heart Institute e a universidade de Montreal (Canadá), uma parte de um estudo de doutorado da estudiosa Gemma Gay-Jordi.

Especifica que os ratos com oito semanas de placidez, então, o período de exercício apaixonado reverter a situação e reduzem a contingência, até os efeitos são "válidos" em duração.

Testes de precaução

Brugada destacou o orgulho de fazer "revisões regulares" precatórias aos atletas para cercionarse de que o coração é totalmente corrente, tanto o esboço de sua carreira como a de forma periódica para confirmar a sua evolução.

Esse controle deve incluir um eletrocardiograma no caso da população infantil que se começa no mundo do esporte, em tanto que tal descartaría 99% das malformações graves do músculo.

O cardiologista foi reconhecido que, atualmente, essas provas não são feitas, mas confiou em que a situação mude com a implementação na Catalunha o evento lei cdel esporte, que deveria estender a expansão dos certificados de competência cardiológica.

A expectativa de se moldar arritmias varia de acordo com a genética e outros fatores, com o que a investigação abre o portão para aprofundar o limite bom para os atletas de creme, ao passo que deixa no ar a possibilidade de beneficiar determinado drogas para prevenir estas doenças.

Este artigo foi revisado por: M. Gibral 🏆 (1)
23 de janeiro